‘Coleira infantil’ ou Cordão de Confiança?

 

Coleira infantil, coleira de criança, cordão de confiança, contentor, mochila-guia, psicologia, psicologia infantil. crianças, Daniela Rita, Olhar de criança, Mundo de Mãe

No Japão, na Europa e nos Estados Unidos, o acessório é bastante popular. E entre os adeptos da ideia, a menção à coleira infantil, como a usada em animais, é evitada, por ser considerada pejorativa. “O nome correto para o objeto é contentor, mochila-guia, ou ainda “cordão de confiança”. Seja qual for a denominação, o uso do acessório tem se intensificado no Brasil e vem gerando bastante controvérsia entre pais, profissionais da educação e do desenvolvimento infantil.

Continue lendo

Agressividade infantil

agressividade infantil, mundo de mãe, maternidade, filhos, psicologia infantil, criança agressiva

A agressividade infantil pode acontecer por diversos fatores que rodeiam as primeiras fases do desenvolvimento. E a família tem grande responsabilidade para que esse aspecto do desenvolvimento ocorra de maneira saudável à criança. Tanto a submissão quanto a frustração excessiva são graves fatores que desenvolverão um ego insuficiente e conflituoso.

Continue lendo

Como lidar com o ciúmes do irmãozinho mais velho com o bebê que irá chegar?

como lidar com o ciúmes, ciúmes, irmão mais velho, psicologia, salvador-ba

Como lidar com o ciúmes do irmãozinho mais velho com o bebê que irá chegar? Por Daniela Rita de Souza, psicóloga.

A chegada de um novo filho na família precisa ser vista como um momento de ajustamento, que pode ter implicações emocionais tanto para o filho mais velho quanto para os pais. Essa fase de transição acarreta consequências diretas na interação pai-mãe-criança, sobretudo, na rotina de cuidados que a mãe destina aos filhos, bem como no desenvolvimento cognitivo e sócio emocional infantil. As mudanças decorrentes do nascimento do segundo (ou terceiro…) filho podem sofrer ajustes de maneiras distintas, antes, durante e depois da chegada deste, e estão relacionadas à interação de diferentes fatores: à harmonia conjugal, ao nível socioeconômico familiar, bem como ao apoio parental que o filho mais velho vivencia já antes do nascimento do irmão.

Continue lendo

Desenvolvimento do bebê: conversar é a forma mais natural e poderosa de estimular a linguagem e a sua saúde emocional.

desenvolvimento do bebê - Guia da Maternidade, psicologia infantil

Converse com o bebê sobre as coisas do dia a dia. Por exemplo, enquanto você está trocando a fralda, dando banho ou comida, converse com o bebê sobre o que vocês estão fazendo, sobre o que você acha dele, sobre o quanto a vida mudou com a sua chegada, o quanto ele é querido e que você sempre tentará acertar mesmo errando às vezes com ele. Isso é muito importante para o desenvolvimento do bebê.

Continue lendo

Depressão pós-parto e o vínculo mãe-bebê

depressão pós-parto

Depressão pós-parto, por Daniela Rita de Souza, psicóloga.

A depressão pós-parto é uma condição que afeta 10% a 15% das mulheres. Este quadro tem seu início em algum momento durante o primeiro ano do pós-parto, havendo maior incidência entre a quarta e oitava semana após o parto. Geralmente se manifesta por um conjunto de sintomas como irritabilidade, choro frequente, sentimentos de desamparo e desesperança, falta de energia e motivação, desinteresse sexual, transtornos alimentares e do sono, ansiedade, sentimentos de incapacidade de lidar com novas solicitações, entre outros.

Continue lendo

Pré-Natal Psicológico

Psic

Nem sempre é fácil se adaptar as exigências e demandas que a maternidade convoca! O período perinatal é marcado por mudanças importantes, vividas de forma rápida e intensa, além das alterações emocionais e afetivas comuns no processo perinatal. Sim, a mulher vive uma confusão de sentimentos um mix maravilhoso (e as vezes nem tanto). Um acompanhamento psicológico é importante quando o cenário provoca sentimentos, ideias de difícil elaboração, conflitos, medos, angústias, ansiedade, tristeza e adaptações necessárias.

Minimizar as questões difíceis e conflitos da maternidade podem seguir causando danos, a normatização dos conflitos maternos com tantos “é normal mãe, comigo foi assim também” não quer dizer que você precise passar por isso sozinha, sem um apoio e suporte adequados. Para viver o melhor da sua gravidez e maternidade considere o acompanhamento de um profissional especializado, e quanto mais precoce a intervenção, mais positivo é o resultado para todos os membros da família, incluída a família extensa, e claro, seu bebê!

Por Elisa Teixeira, Psicóloga Perinatal Clínica e Hospitalar. @perinatalpsi