Posso curtir o carnaval?

SOLO_0004

Se você vai passar o Carnaval em Salvador-BA, e está grávida, é bom ler isso.

Sabemos que gravidez não é doença, e temos visto muitos posts e artigos sobre cuidados que a gestante deve tomar para curtir o Carnaval em segurança: evitar locais abafados, usar roupas frescas e confortáveis, se hidratar bastante, usar protetor solar durante o dia, não ficar em meio a aglomerações, não consumir bebidas alcoólicas ou energéticos e se alimentar bem. Existem, inclusive, cuidados específicos para cada trimestre da gestação.

Porém, quando se trata do Carnaval de Salvador, existem alguns pontos para vocês pensarem:

Os camarotes oferecem conforto, segurança, alimentação, e possuem vários ambientes, permitindo que a gestante descanse ou procure locais mais frescos, caso sinta algo. Porém, o acesso a esses camarotes exige que o folião ande longas distâncias, passando por entre blocos, trios e outros foliões (muitas vezes aglomerados), entre o local de chegada (carro ou taxi) e o camarote escolhido. No trajeto, a futura mamãe está exposta a traumas, picos de calor, fadiga e até mesmo desidratação, dependendo da distância e do volume de pessoas. Esses fatores podem contribuir para um parto prematuro ou mesmo aborto, dependendo da idade gestacional. A única opção segura seria chegar antes dos blocos começarem e só ir embora no final, com o dia amanhecendo, e não tem barrigudinha que aguente esse pique, não é mesmo?

Além disso, a Bahia está passando por uma epidemia de Zika, doença perigosíssima para gestantes, pois pode estar associada ao aumento dos casos de bebês com microcefalia. O circuito do carnaval é o ambiente perfeito para a proliferação do mosquito transmissor, pois envolve aglomerações, lixo e agua acumulada. Por mais que se faça limpeza, sempre restam resíduos que são um berçário natural para o Aedes Aegypti. Com a recomendação do uso de roupas frescas, as gestantes estarão com as pernas e braços expostos, e mesmo o uso de repelentes só protege por tempo limitado. Será que vale à pena o risco?

Conversamos com obstetras que apontaram outros riscos também, como intoxicação alimentar e possíveis danos à audição do bebê. Mesmo com a proteção do líquido amniótico, do intestino e da parede abdominal, há estudos que apontam a possibilidade de a exposição a ruídos muito altos causar prejuízos futuros ao sistema auditivo dos pequenos!

Por isso, pense bem! Sabemos que vivemos na terra do Carnaval, mas talvez este ano seja melhor fazer uma programação mais alternativa, não é mesmo? Consulte seu obstetra!!

Beijos,

Larissa Aguiar